domingo, setembro 21, 2008

Não deixarei este e-espaço morrer

O pai do pedro há muito que não escreve neste blog, a razão foi a de não sentir a mesma liberdade de outrora para escrever aqui, aquilo que lhe vai na alma. No entanto eu preciso deste espaço, é tão bom sentir que apesar de tudo existem pessoas, pessoas coloridas e com alma, capazes de apoiar outras que apelam o seu entendimento, a sua compreensão e também a sua força perante as adversidades da vida. No meu trabalho e com os meus colegas é tão raro alguém perguntar-me como é que está o pedro ou como é que eu estou. Por vezes tenho a sensação de que se eu não conseguir aguentar a pedalada tanto melhor, pois haverá uma outra pessoa igual ou melhor qualificada para desempenhar o meu papel. As exigências do dia a dia são cada vez maiores e pelo menos resta este pequeno, grande espaço para partilhar, descobrir, aprender e saber amar não só os nossos filhos senão também o ser humano na sua essência e desprovido de capas e vernizes supérfluos que a economia estimula e os medias divulgam com o objectivo do consumismo desenfreado. Por tudo aquilo que acabei de escrever continuo a acreditar neste pequeno, grande espaço e não deixarei este e-espaço morrer.
Um beijo

8 comentários:

Sun Melody disse...

Mãe do Pedro, e não deves nunca deixar este espaço morrer apesar das condições de vida desenfreadas, apresadas e por vezes sem consciência no valor dos prórprios seres humanos.

Revolta-me tudo o que está a passar-se no ensino especial, a indiferença perplexa, o desleixo anti-democrático.

Por favor, não feches nunca este espaço.

Beijinho.
Sun Melody (sou a Memorex)

Grilinha disse...

Mãe do Pedrinho: É verdade que quando estes espacinhos deixam de ser tão anónimos e despercebidos, passamos a ter que ter mais algum cuidado...e é aí que perdemos a vontade de escrever. Exactamente o que se passa comigo neste momento. É uma pena, perde-se quase toda a graça...mas enfim...
Pelos Pedrinhos, por alguma continuidade de partilha, mantenho o blogue mesmo que numa versão politicamente correcta... e da mesma maneira gosto de por aqui vos encontrar, mesmo que espaçadamente.
Quanto à questão do emprego: sabemos quanto um menino assim é exigente para um ser humano. O quanto nos desgasta e nos dispersa das questões profissionais, mas acredita que consegues conciliar. Tento pensar que não temos de ser 100 % em tudo. Só temos de dar simplesmente o nosso melhor...

Um beijinho muito grande

Anónimo disse...

Mãe do Pedro, eu sinto o mesmo relativamente ao meu emprego, sou bancária e é um salve-se quem puder...
Sou muita vezes prejudicada pelo facto de ter um filho deficiente.
Mas o mais importante são os nossos filhos e é por eles que nós lutamos.
Beijinho
Graça (mãe do Pedro adolescente)

ClaudiaMG disse...

Olá Mãe do Pedro

Apesar de nos encontrarmos no mundo dos blogues, em que é suposto o nosso blogue ser a nossa "casa", estamos no entanto a escrever para uma comunidade virtual e não num diário daqueles que fechamos à chave e mais ninguém lê a não sermos nós.
Com isto quero dizer que compreendo o que o Pai do Pedo está a sentir, compreendo os seus motivos, a falta de liberdade que começou a sentir.
Eu em tempos sofri dos mesmo mal, cheguei inclusivé a fazer um novo blog (o actual) e eliminei muitas pessoas da minha lista por sentir que era invadida por pessoas e terceiros que nada tinham a acrescentar de posiivo.
Para finalizar acho que devem manter o vosso cantinho, virem cá quando têm vontade, expressar os vossos sentimentos e partilhar experiências de vida.
Pessoalmente gosto de cá vir e de vos ler gosto de partilhar as vossas conquistas, as vossas dúvidas e afins.
Para mim é importante vocês existirem neste mundo virtual, pois fazem parte de um conjunto de ammigos que eu prezo bastante.

Um grande beijinho e não deixem "morrer este espaço"
CláudiaR

Anónimo disse...

sim as mães ficam sempre, repito,
até no ciberespaço, que começa a desiludir de facto, e é pena.
mas o problema não é do ciberespaço, é das pessoas.
...e as mães ficam sempre,

um grande beijinho para o Pedro e cumprimentos aos pais do pedro, com admiração e respeito

reb disse...

Mãe do Pedro, ao ler este post pensei em algumas coisas. Uma delas é a noção do privado que a maioria das pessoas tem. Raras são as pessoas que têm capacidade para falar de si próprias, do seu mundo, dos seus problemas. Há reserva em muitos de nós. O que me surpreende, pela positiva, em alguns blogues que visito, é a coragem em tornar "público" o que vai na alma. Eu não tenho essa capacidade e penso que estou a aprender convosco. Pelo menos, tem-me feito pensar na dicotomia público-privado e na barreira que muitos temos.
Quanto aos colegas que não perguntam como vão as coisas, uma coisa que constato é que há muitos tabus na vida em sociedade. As pessoas nunca sabem se devem perguntar ou se estão a invadir o espaço do outro, que pode querer alguma reserva. Todos vestimos uma capa qdo saímos do ninho e essa capa às vcezes torna-nos pouco humanos, sem o sabermos. É mais fácil escrever do que falar.
Há uns anos passei por morte de um familiar próximo. As colegas sabiam, mas além do beijo, nunca me fizeram perguntas. Talvez pensassem que eu preferia não falar do assunto na escola. E talvez fosse verdade. Mas senti que algumas estavam perto, mesmo sem me falarem de nada...
O bicho-humano é complicado, não achas?
Muitos beijinhos

Anónimo disse...

Este espaço não deve morrer, do meu ponto de vista (egoísta) não quero que ele acabe. Mas, penso eu, este espaço é também útil a vocês (pai e mãe do pedro). Entendo exactamente tudo o que dizes neste post, às vezes acordo com uma vontade enorme de contar que o meu filho fez uma pequena evolução (pode ser uma coisa insignificante mas que para mim foi muito importante) ou que finalmente o meu bebé já toma os medicamentos sem cuspir. Mas não conto isto no emprego, sinto que a maioria das pessoas não teria o mínimo interesse em saber isso e são raras as que perguntam como ele está (é curioso que em geral as que vão perguntando são as que já passaram por situações idênticas). Até com a família sinto isso. é no meu blog que conto as pequenas evoluções do meu filho e fico feliz por saber que o pedro, o baunilha, o afonsinho e outros mais também conseguiram pequenas vitórias e gosto de partilhar experiências e angustias que me assaltam todos os dias e que também são uma realidade para outros pais.

Beijinhos
Cristina
http://blogs.clubedospais.pt/ccsantos

Anónimo disse...

Mãe do Pedro:
Gosto muito de visitar o seu blog na medida que acho que me encontro numa situação semelhante à sua, tal como os outros pais que o visitam.É importante e saudável trocarmos experiências de vida. Desabafar com pais de crianças ditas "normais", é completamente diferente e muitas vezes inútil.
Nunca deixe este espaço morrer.
Beijos
Graça