quinta-feira, outubro 26, 2006

cooperação precisa-se

tinha que ser!!! já estavamos à espera... o pedro entrou este ano para o primeiro ciclo. por causa da surdez, está integrado desde o pré-escolar na unidade local de apoio à criança e jovem surdo. mas o pedro não é um surdo como os outros, por causa da paralisia cerebral. desde o princípio que nos apercebemos que ao nível dos terapêutas e educadores, quem percebe de paralisia cerebral não percebe nada de surdez, e quem percebe de surdez não percebe nada de paralisia cerebral. mesmo assim tivemos sorte durante o pré-escolar. alguns terapêutas dispuseram-se a aprender os rudimentos de língua gestual portuguesa de modo a comunicarem com o pedro, mas nem todos. e as coisas mais ou menos funcionaram em termos de coordenação entre as duas vertentes. tivemos também sorte porque a educadora do ensino especial da unidade de surdos já tinha trabalhado com o pedro na appc em anos anteriores e tinha conhecimentos profundos sobre paralisia cerebral e cuidados associados, posturas, etc.
mas este ano, o pedro está no 1º ciclo e a professora tem poucos conhecimentos sobre paralisia cerebral, o pedro é a primeira criança com que ela tem que lidar. ainda por cima este ano começou essa fantochada do prolongamento, para o qual as escolas não estão minimamente preparadas. por isso, já estão a começar os problemas. a professora já pediu a intervenção da appc, que fosse à escola, mas devido aos malditos cortes orçamentais, a appc tem menos pessoal e ainda não disponibilizou ninguém para dar o pretendido apoio. esta manhã, em conversa entre a professora e a mãe do pedro, lá veio a história de que os cuidados com o pedro são muito cansativos, principalmente os necessários durante o prolongamento, visto que devido aos cortes orçamentais o número de auxiliares não é o suficiente. também se queixou do nível de atenção do pedro (não sabe o que é ter hipotonia!), etc, etc. ou seja, está a olhar para o deficiente em vez de olhar para o eficiente. é a tal história da garrafa estar meio cheia ou meio vazia, depende de quem observa.
lá vamos ter que nos chatear outra vez! a verdade é que quando uma criança precisa de cuidados especializados em várias áreas, a coordenação entre os vários intervenientes é muito difícil, exige muito dos pais. não estou a culpar ninguém. as pessoas são o que são, estão inseridas numa sociedade, numa cultura, e em portugal não há muita cultura de interdisciplinariedade, de cooperação. mas era bom que cada um não ficasse orgulhosamente no castelo da sua especificidade...

9 comentários:

Maria disse...

pai do pedro... o que conta era de esperar, infelizmente: compartimentos de conhecimento estanques. Já trabalhei com as duas realidades, e com algumas situações cumulativas. Os fisoterapeutas simplesmente rejeitam-nas. Estou deste lado. O Artur, para LGP é fabuloso e tem um notável espírito aberto. Um abraço da maria e do filho (mais um blogger a mandar um abraço...)

nani disse...

Ola!
O Pedro é muito amado!Tenho certeza que este amor o faz a cada dia se desenvolver mais e mais!
A vossa história é de muita força e amor!São pessoas especiais!
Tenho uma menina da idade do Pedro,chamada Giovana,que é especial!tem uma lesão no Cerebelo!E tenho outra de 19 anos,Júlia.
Vou voltar mais vezes!
Nani.

Grilinha disse...

Pois, ainda não estou nessa fase, mas acredito que não será fácil...é preciso não desanimar e não perder a boa-vontade...mas acredito que deva ser revoltante...temos grandes passos a dar neste capítulo.Um beijo

Maria disse...

tens mail... histórias em LGP e respectiva interpretação em http://profsurdogoulao.no.sapo.pt/

abraço grande!

Grilinha disse...

Obrigado pelo apoio e conselhos dados sempre com tanta vontade. Hidroterapia é uma palavra sofisticada para designar "natação" adaptada, no sentido de que não permitem posições menos favoráveis e desenvolvem mais os aspectos mais críticos...mas é uma natação, para todos os efeitos...Agradeço a dica na mesma. Quanto ao papá do JP é uma figura sempre presente e activa e tem tb um blog com vários anos, mas sobre outras coisas...não tem a mesma maneira de ser que eu..é mais fechado...Mas segue-nos atentamente, claro. Beijinhos

AnaG. disse...

Gostei muito de ler o seu desabafo. Tem toda a razão e deve ser muito frustante para os pais quererem o melhor para o seu filho, e não conseguirem porque não encontram respostas.
Vivemos num país que cada vez menos se preocupa com os "diferentes" (não englobo só os portadores de deficiência, mas todos os que são socialmente desfavorecidos).
Todos os agentes educativos deviam ter formação para saberem corresponder às necessidades específicas de cada aluno.

Anónimo disse...

Pois é muitas vezes as nossas escolas não estão preparadas nem com recursos humanos nem físicos, para receber estes meninos tão especiais. Tenho de salientar que o nosso Ministério da Educação se esquece dessses meninos tão especiais para mim, as escolas não têm condições, não colocam professores de educação especial e auxiliares de acção educativa devido aos cortes orçamentais, logo essas crianças são um peso para a escola. Assim o que acontece é,os pais têm de se mexer para que a criança tenha todos os apoios que necessita e tem direito segundo o dec.lei 319/91, pois é ... mas a mim o que me preocupa são duas coisas os meninos que não têm pais como o Pedro e as minhas colegas que não vêem esses meninos como especiais que são.
Continuem sempre caminhar lado a lado com o vosso filho...
Professora de educação especial

Pais eficientes disse...

Pode encaminhá-la parao blog www.paiseficientes.blogspot.com e pedir-lhe que contacte o nosso mail pais.eficientes@blogspot.com...
Sobre paralisia cerebreal e técnicas de intervenção pedagógica, o Dr. Rui Brasil pode ajudá-la, com toda a certeza através do mail pais.eficientes@hotmail.com

Cumprimentos!

silencebox disse...

Infelizmente, esta frase é bem verdade: "quem percebe de paralisia cerebral não percebe nada de surdez, e quem percebe de surdez não percebe nada de paralisia cerebral." Os professores não estão preparados para receber alunos deficientes, as escolas não têm condições para isto, não têm orientações especiais para ajudar os professores nem materiais necessários e adequados para alunos deficientes... O nosso país é pobre, há imensa ignorancia ou pouca informação, até a cooperação entre profissionais é pouca... infelizmente, são vocês que têm que ensinar os professores...