domingo, março 23, 2008

Feliz Páscoa

Hoje o Pedro, pais, irmãos e o avô materno foram também celebrar o Domingo de Páscoa à Igreja, católica porque por tradição judaico-cristã é a religião que nos pertence. Com isto quero dizer que sempre e na qualidade de mãe achei importante delegar nos meus filhos a descoberta e posterior conhecimento da espiritualidade e daqueles valores que de certa forma são transmitidos pela comunidade cristã. O Pedro, o meu pai e eu ficamos num lugar muito próximo de donde se celebrou a missa e comparativamente com outras idas à missa foi interessante observar o grande interesse do meu filho Pedro pela cerimónia que num dia como este teve lugar na Sé de Faro. Fiquei feliz por aperceber-me que o Pedro fazia um grande esforço por perceber o que se passava à sua volta, comunicando comigo em língua gestual e dando a sua mãozinha ora na minha, ora na do meu pai e também apreensiva por aperceber-me que ainda nos dias de hoje a Igreja Católica, apologista da igualdade de oportunidades para com todos os seus membros não utilize a língua gestual para dar a conhecer a mensagem transmitidas pelos padres, nem num dia como este. A comunidade preocupa-se em transmitir conhecimentos às crianças surdas utilizando as unidades de apoio à criança e jovens surdos, no entanto existe um vazio quando pensamos na hipótese de uma criança surda ter formação religiosa e volto a repetir a católica porque é aquela que nos pertence por tradição, sendo sim o importante a descoberta e posterior conhecimento da espiritualidade. No entanto não vejo a comunidade católica preocupada na formação espiritual dos surdos. Porque será?

2 comentários:

ccsantos disse...

Pois... Este post é melhor eu nem comentar muito ... é que a minha opinião não é politicamente correcta para a nossa sociedade tradicionalmente católica.

É que eu penso que a Igreja Católica põe o ênfase onde não devia: rituais, ostentação de uma riqueza quase insultuosa para quem não tem dinheiro (ver o dinheiro investido em Fátima… já para não falar no Vaticano…), "pecados" que muitas vezes transformam a vida de alguns num inferno (o "pecado” do divorcio, o “pecado” do uso de métodos anticoncepcionais, etc...) e esquece-se das minorias e de quem necessita de apoio (monetário, emocional, etc…) , as minorias vêm em toda a nossa sociedade em segundo lugar, são tratadas muitas vezes como cidadãos de segunda, ora que os governantes que só pensam em votos e economia façam isso não me espanta, mas a Igreja que se gaba da solidariedade e do amor ao próximo mete-me uma certa impressão que faça o mesmo. Os meus filhos, pelo menos por mim, não serão educados em nenhuma religião, perante as perguntas da mais velha (4 anos) que frequenta um colégio dirigidos por religiosas apenas tento despertar-lhe o espírito crítico sobre o que ouve, mais tarde ela fará o seu próprio juízo.

lobitas disse...

Sou católica e tenho a minha fé , á minha maneira é certo, mas tenho, no entanto concordo a 100% com este post, o qual felicito, e acrescento, onde estão os acessos, reparem nas igreijas da vossa paróquia e vejam quantas escadas e escadinhas têm, é uma vergonha.
Tudo de bom para toda a familia
A alcateia