sábado, fevereiro 03, 2007

estados de espírito

às vezes perguntamo-nos como é que o pedro se vê a si próprio. é evidente que tem noção da sua diferença, mas é tão difícil falar sobre isso gestualmente... durante a semana que passou, pareceu mais tristonho, mais irritável e acordou e veio ter conosco ao nosso quarto a meio da noite, noite após noite. serão medos? porque é que estes conceitos de estados de espírito, sentimentos, etc, são tão difíceis de explicar? a vida está cada vez a ser mais exigente com ele, e quando não consegue dar respostas fica triste, chateado. pelo menos é o que avaliamos pelas expressões. também está a criar o seu espaço pessoal, interior. como ensiná-lo a ser forte e ultrapassar esses estados de alma? como encutir-lhe espírito de lutador, vontade de se desafiar a si próprio? como emprestar-lhe um núcleo vital e de sobrevivência suficientemente forte para lhe permitir as muitas dificuldades que obrigatoriamente vai ter que ultrapassar? como veêm, estes sábados estão a ficar muito reflexivos...

8 comentários:

Grilinha disse...

Não há fórmula mágica, pois não, papá do Pedro ?
Há alguns aninhos que me interesso por psicologia e umas das coisas que retive num daqueles livros de inteligência emocional...era que os pais não deviam estar sempre a evitar que o filho esteja triste ou que chore, fazendo palhaçadas ou cócegas, mas sim "ouvi-los"...dar um ombro para chorar....
No vosso caso pode ser mais difícil a comunicação, mas sei que ela existe...Que tal um pouco sentado com ele, e tentar "percebê-lo"...deixá-lo libertar-se e ser alvo da "atenção total " por meia horinha...Acredito quemal não lhe fará...Um grande beijo e muitos miminhos para o vosso Pedro

paibabado disse...

Solução acho que não há.
Mas julgo que o mais necessário é a afirmação da vossa parte de um amor incondicional para com ele, que ultrapassará todas as barreiras que existam e que será sempre assim.

pedroepedrofilho disse...

Há dias assim!!
Nós tambem não andamos sempre felizes todos os dias.
São fazes, isso vai passar.
Abraço. Pedro

idadedapedra disse...

Essas dúvidas são dúvidas de todos nós que temos filhos. Como ensiná-los a ser fortes, sem serem sacanas para os colegas. Como incutir espírito de lutador sem serem demasiado competitivos. Núcleo vital ele tem de certeza e vais ver que te há-de espantar pela positiva. Eles são mesmo assim. Têm muito mais lá dentro do que a gente pensa. O nosso medo é por nos lembrarmos do que aconteceu connosco, do que tivémos que passar para chegar aqui. E aos nossos filhos nós queremos protegê-los do sofrimento... mas o sofrimento faz parte da vida. Vais dizer que eu falo como se o Pedro fosse um menino como os outros. Mas é que quando te leio apercebo-me que as tuas questões são tão parecidas com as dos outros pais todos...

@Memorex disse...

Idade da pedra-» escreveu o seguinte "Como incutir espírito de lutador sem serem demasiado competitivos", o ser humano é agressivo (competição) por natureza e é através desta força q coragem estrelaçadas que o Pedro pode ser capaz de seguir em frente sem temeridades até pq o inconsciente assim o diz, é tão natural como a lei da sobrevivência!

Pai do pedro, quanto mais experiências de vida lhe proporcionarem, ele cresce naturalmente com os seus sentidos. è um longo aprendizando apesar das limitações, mas é através desta carga de energia por vezes quebrada em momentos de eplepesia volta de novo ao activo. redobradas com o mesmo espirito empreendor e de luta!

Acreditem, tenham confiança e mantenham a esperança, não é tão escassa como parece!

Um beijinho enorme!

idadedapedra disse...

Hum...memorex... afinal somos gente ou bicho? Eu até sou uma naturista e gosto muito de instintos mas nós vivemos numa sociedade e esses instintos de sobrevivência e a lei do mais forte acho eu que é o que tem feito com que isto tenha chegado ao que chegou. O mais forte já não é o fisicamente mais forte mas aquele que consegue ganhar poder qualquer que seja a maneira utilizada para o obter. Eu detesto a competitividade, isso é verdade. É preciso lutar, isso sim, mas acho que não é o equivalente a competir... Enfim, isto dava pano para variadíssimos blogs :)

lobitas disse...

É normal como maes e pais temos um instinto de proteção, e quando os nossos filhos são especiais acho que é muito maior, no entanto espero que o Pedrinho ja se sinta melhor e consiga confiar aquilo que lhe vai na alma, e que passe umas noites muito mais calmas.
Tudo de bom para voces

cláudia disse...

PaidoPedro,
Compartilho de suas dúvidas quanto ao futuro de um filho "especial"...
Não tenho uma posição concreta, oscilo momento de guerra e paz interior, quando visualizo as possibilidades de minha pequena, tão doce,tão terna, tão frágil, como seu pequeno Pedro...
Hoje estou perdida e não tenho uma palavra de conforto.
Cláudia