quarta-feira, fevereiro 07, 2007

vestir e despir

não tivesse eu tido um filho como o pedro e nunca me aperceberia de quão complexos são os actos de vestir e despir. quanta coordenação motora e perícia empregamos nesses actos banais do dia a dia. vestir uma camisola, puxar umas cuecas para cima, retirar as meias, despir um casaco, obriga a uma sequência de movimentos minunciosos e precisos, que o pedro ainda não domina. ora experimentem lá só com uma mão... (eu sei, eu sei, a outra estamos sempre a estimulá-la).

8 comentários:

idadedapedra disse...

pois é... eu só me apercebi da complexidade de ler as horas num relógio de ponteiros, quando as minhas filhas tiveram que aprender isso. É um acto mental complicadíssimo!

Grilinha disse...

O meu Lindo...o que nós aprendemos com as crianças...e então com as especiais !

Tanta coisa que parece fácil e é difícil para eles...Beijocas e boa semana

pedroepedrofilho disse...

Só compreendemos e nos apercebemos determinadas coisas depois de passar por elas.
Desde que nasceu o meu filhote, Pedro, é que comecei a compreender e aprender muita coisa.
Felicidiades, Pedro

cas disse...

descobri hoje o "a vida com pedro"... e descobri também que há coisas que são tão importantes e outras tão pouco importantes de facto...

lobitas disse...

Realmente as coisas por vezes são tão complexas e nem sequer nos apercebemos, fazemos as coisas sem pensar no quanto podem ser dificeis, penso que quem tem filhos especiais tem mais essa noção pelo facto de termos que lutar e trabalhar bastante para que haja a possibilidade de os nossos filhos virem a fazer o que as outras crianças ja dão por adquirido, mas as coisas são assim ... o que podemos fazer ... dar-lhes muito amor e carinho, pois eu penso que o amor tambem cura.
Tudo de bom para a vossa alcateia
Beijinhos

Maria disse...

Situações complicadas que exigem muito treino. Persistência será a chave? Vocês têm. Espírito de equipa também. Há truques, claro, que ele irá adquirindo. Mas os botões, os atacadores, tudo o que exija motricidade fina será de aprendizagem com um tempo pessoal.
Um abraço a todos.

Cláudia disse...

PaidoPedro,
Também tenho uma filha "especial",com ela aprendi a valorizar pequenas coisas, que um dia julguei banais.Me identifico com suas experiências, me emociono também... muitas vezes representam as minhas próprias, pela similitude...
Força sempre!
Cláudia

paidopedro disse...

cláudia:
seja bem vinda a este espaço, muita força para a sua caminhada também